Arquivo do mês: setembro 2010

Pan (ou “balance”)

Mais dois tragos e a tarde suaviza
O piano colore o nublado
E o cinza pacifica a semibreve do trompete

“Fumar unzinho e ouvir Coltrane…”

E por mais que a cena toda
Com o finess da trilha
Lhe inspire qualquer paz

a
mente
continua
procurando
algo
complexo
o
suficiente
para
que
possa
se
preocupar
com

Falta balanço

O tal do ser

Anúncios

Do Alvo

É porquê até hoje não sei

Se é a luz do dia que me ilumina ou me cega
Se é o alívio da noite que me projeta ou sufoca
Se é a lua que me indica ou me trai
Se é o sol que me esquenta ou me queima

Até então nunca entendi
Das medidas do caráter
Frente tantas urgências
Tantas necessidades

Não sei do gosto doce do perdão
Em tal estômago ácido

Nos erros adolescentes
Lamúrias adultas
Tomam formas arbitrárias
Tacitamente envoltas

E eu nado
vago

E atolo
Entalado

Na retórica infinita das apologias

No cinismo cruel do eufemismo
É porquê até hoje eu não sei
O ponto da verdade no real
Ou a realidade verdadeira

E acho que o erro
Sempre foi achar saber

É que depois de tanto tempo

Chorar fácil assim parece ter sentido


Wordpressless

Please forget the words that I just blurted out.
It wasn’t me, it was my strange and creeping doubt.
It keeps rattling my cage, and there’s nothing in this world will keep it down.

Even though I might, even though I try,
I can’t
Even though I might, even though I try,
I can’t.

So many things that keep, that keep me underground.
So many words that I, that I can never find.
If you give up on me now, I’ll be gutted like I’ve never been before.

Even though I might, even though I try,
I can’t
Even though I might, even though I try,
I can’t.

If you give up on me now, I’ll be gutted like I’ve never been before.
Even though I might, even though I try,
I can’t
Even though I might, even though I try,
I can’t.
Even though I might, even though I try,
I can’t
Even though I might, even though I try,
I can’t.

(Radiohead)


João e Francisco

Dois poetas estavam na calçada
Dividindo um cigarro e fedendo a cachaça

Um vira para o outro e diz:

_Ando me sentindo muito raso.

E o outro responde ao um:

_Sentimento profundo esse seu.


Cazuzando

Me inspirei nos canalhas mais velhos
Para entender a malandragem das antigas

Até me diverti
No pouco sarro que ganhei
(tirei)

Espelhei o romântico mais afetado
Sofri dores femininas
Gastei punhos testoterônicos
Nas paixões mais infantis

“Já freqüentei grandes festas,
nos endereços mais quentes
tomei champagne e cicuta
com comentários inteligentes”

E mesmo assim
Tudo o que quero dizer

Já foi dito


SubGrave

É interessante o desenho
Que estes tênis tão carismáticos flutuam pelas calçadas
Hoje minha melhor amiga era

uma Heineken long neck

um maço de Marlboro

um walkman
Os pés doem mas a alma
Compreende
Que a mordida do mundo

É 30 hertz


%d blogueiros gostam disto: