Arquivo do mês: fevereiro 2012

Pai

Entendo,
teu caráter de bom menino
criado por mãe judia (ao menos em raciocínio)
mimado pelas mulheres
e pelo público

Entendo
ele ter sido espancado e distorcido
pelos braços fortes e envolventes do hedonismo

Entendo
os tentáculos brotantes que surgiram
dessa verdadeira mutação na alma

Só não entendo a pessoa que amo
nem entendo a falta que me faz

Só queria saber qual deles é você
e nisso qual destes isso me faz

Anúncios

Desperto

A chuva veio lavar a sujeira do carnaval
enquanto dentro da minha cabeça
o Arlequim, o Pierrot e o demônio interno
jogam baralho de ressaca e reclamam que acabou a cerveja

Ao menos concordam em alguma coisa

O feriado recluso e solitário sossegou suas almas inquietas
e preservou minha saúde e sanidade
A chuva também tirou do armário a velha calça jeans
e o par de coturnos
após quase dois meses de bermuda

A velha hering preta e estou pronto
Pronto para receber o verdadeiro ano novo


Citações

“Uma voz feita de tinta e raiva.”

(Kemp – Personagem de Johnny Depp em The Rum Diary)

Coisas de Thompson…
Nesse filme ele também cita Oscar Wilde

“Eles sabem o preço de tudo e o valor de nada”
(Oscar Wilde)

Mas penso de uma maneira ignorante que;

“Você corresponde aos meus critérios estéticos,
tem uma beleza delicada e a desesperança de uma
figura trágica”

Essa teoricamente é do Serge Gainsbourg, mas não tenho certeza se é do roteirista do filme

“Essa é a nossa vida, não fica melhor que isso”

Passei para o coletivo, vem do Fight Club

E no fim, acho que ter noção da máquina viva que és
é um dos fatores que separa os homens dos meninos

Como dizia mesmo o Darlan?

Medo de nada, pena de ninguém e o quê?

“Deixarei que a escolha seja feita”
(Quiroga sobre o signo de Libra)


Little Fluffy Clouds

O beijo torto e babado de dente batido
embaixo de uma árvore em algum paraíso interno
o coração de menino ardendo em contentamento
a certeza de que o mundo era dele a partir dali

Depois vieram as cores, promessas, sabores e intrigas
de tantos outros lábios femininos
de tantos abraços fraternais de amigos
que a esse momento dão as mãos
e cantam uma ciranda qualquer em seus ouvidos
em noites embriagadas e dias letárgicos

Como se numa forma lúdica de existência
não cansamos da montanha russa sentimental

será?

Quando algo dá errado
o ódio nos vem em forma de tempo perdido
então perdemos mais tempo
até nos conformarmos
e vermos que o tempo que perdemos pode ter feito parte
(na realidade)
do que houve de melhor

e que perdemos tempo de fato, não o dando valor

e esse nosso tempo
(perdido/lembrado)
dá as mãos aos amores
e continua a cantiga oitavando o coro

As relações no leito cronológico humano
são os pais dos momentos
que só são de fato fecundados como tal
(na visão romântica)
quando coroados com o status de lembranças
(memórias maduras)

O problema é um só

Você escuta a canção
ou dança a seu ritmo?


Matheus e Felipe sobre mulheres e cervejas

O Stijl do White Stripes rodava no som da sala, na terceira faixa – “Sister, do you know my name?” – Felipe acabava de apagar um baseado quando Matheus com um olhar tranqüilo perdido entre a parede e a janela começou a devanear.

_Existe uma idade muito bonita na vida de uma mulher que é tão intensa e poderosa que acho que desperta um lado masculino destrutivo.

Felipe ri.

_É mesmo Matheus? Qual é essa idade?

_Entre os vinte e os vinte e quatro.

_Que específico! – Ri novamente Felipe – Você pode ter razão, mulheres dessa idade são como uma Stella Artois à sete graus num píer de frente pro mar.

_Você gosta mesmo de uma Patricinha, não é Felipe? As mulheres dessa faixa etária as quais me referia eram mais para uma Heineken; Amarga e forte na medida certa, com sabor equilibrado e decidido e absurdamente “style”!

_Existem essas sim, mas estas estão um pouco acima na cadeia. Eu diria que mulheres Heineken estão mais entre vinte cinco e vinte e nove

_Tem razão, a menina Stella então se tornaria a mulher Heineken.

_ComCerveja! – gargalha Felipe.

_E depois dos trinta?

_Aí depende.

_Depende do quê? – Pergunta Matheus.

_Se ela for mãe ela provavelmente vai ter dado uma amadurecida.

_Uma cerveja madura, materna, hum… Antactica Original?

_Até uma Bohemia!

Os dois gargalham.

_Acho que Bohemia é quando os filhos estiverem maiores e ela já estiver solteira de novo, aos quarenta, por aí. – Reflete Matheus

_Se ela continuar uma gata até aí pode se tornar uma Miller ou se não tiver filhos uma Skol Beats. – Devaneia Felipe.

_Mas sempre, em qualquer idade, vai haver a mulher Kaiser.

_Como assim Matheus?

_Você não toma, não curte, mas se for a única que tem na festa você acaba pegando uma!

_Nossa Matheus!


Me acorda no ano que vem

Na ansiedade pela resolução da pele
acordo inebriado em libido
ao vento norte falsificado pelos edifícios
que corre pelo quarto

Escuto as sirenes da rua que destoam
em outro envelope de freqüência
que meus ouvidos logo identificam

chuva

o clima da cidade era bem como meu interno
e vi poesia no cinza, no caos, na violência

a maturidade abafou meus instintos
e procurou coca-cola na geladeira
para o ajuste cerebral vespertino
mas nada encontrei

Flashes de ontem me voltaram a cabeça
o caos, a violência, o cinza

a chuva

eu nem entendi direito a confusão
passei pela tangente
não quero mais isso pra mim

Estou começando a ter saudades de empregos diurnos
colegas de trabalho que se interessam por temas construtivos e engajados
como o Big Brother por exemplo

Toda vez que eu ligo a TV
(caos, violência, cinza)
Logo a desligo

o clima trouxe a noite mais cedo
e a sensação virtual de atraso
me persegue enquanto me preparo

para mais este carnaval


Contato Imediato

É que exige zelo
flores sazonais tem temperamento abstrato por natureza
força com gentileza
o que chamam de “jeito”

admito
tudo
tanto

foi necessário no processo
doloroso de aceitar a própria alma

Velhos amigos via vídeo
mãos que queria apertar
canções que iremos cantar

O ciclo da vida volta em suas engrenagens,
o fluxo segue macio em direção a seu capacitor.

Hoje senti tua falta, velho amigo.

A compartilhei com seus mais velhos amigos ainda
e nossas vidas continuam quase plenas,
quase daquele jeito

Do jeito que queria;

rimos de crueldades
revisamos relações
nos aproximamos
te xingamos em shots de uísque e cachaça
virando a porra da madrugada dos dois lados do mundo!

Não há espaço para que a lenda morra
do jeito que queria

Do jeitinho que você sempre quis!


%d blogueiros gostam disto: