Dias Altmanianos

Dizem que na periferia o que mais cai em pé e corre deitado

é o presunto tostado no pneu

Até a poesia da chuva depende de ponto de vista

Hoje desci para o trabalho pela estrada

observando o padrão das gotas nas poças de lama no caminho

a mata molhada agradecida

o pio dos filhotes no ninho

a bruma grossa no alto da serra

Pensar que há menos de seis meses atrás

meu caminho para o trabalho tal como o tempo para chegar no mesmo

dependia da sanguinolência do metrô paulistano

O minhocão como guarda-chuva

o corte de caminho pelo Largo do Arouche para pegar a linha amarela direto

se tornam um pesadelo distante

Ontem colhi amoras do quintal para o café da manhã

contemplei o silêncio matinal

passei iodo no arranhão que arrumei no pé

e pensei em arrumar um cachorro

 

são de fato

 

dias diferentes

Anúncios

Sobre Tomaz Sá

Sinto, penso logo escrevo Ver todos os artigos de Tomaz Sá

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: